segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Análise: Paços de Ferreira - 3 / Benfica - 4

Estádio cheio na Mata Real. O Benfica apresentou-se com muitas alterações no onze, comparativamente ao jogo em Nápoles, devido, também, às várias ausências forçadas (Luisão e Katsouranis castigados, Suazo lesionado).


FICHA DE JOGO
Estádio da Mata Real
21h00 horas
RTP 1
Árbitro: Bruno Paixão (AF Setúbal)
Assistentes: António Godinho (AF Setúbal) e Paulo Ramos (AF Setúbal)
4º árbitro: Cosme Machado

Paços de Ferreira
Bruno Conceição, Ricardo, Tiago Valente (Rui Miguel, 45), Ozeia, Chico Silva; Pedrinha, Filipe Anunciação (Cristiano, 70), Paulo Sousa; Edson (Filipe Gonçalves, 80), William e Leandro Tatu.
Suplentes: Coelho, Cristiano, Josa, Kiko, Rui Miguel, Filipe Gonçalves e André Pinto.
Treinador: Paulo Sérgio
Golos: 1-1 (Ozeia, 14).
Cartões: Amarelos - Filipe Anunciação, 54; Rui Miguel, 62; Leandro Tatu, 90; Vermelhos - Nada a assinalar.

Benfica
Quim, Maxi Pereira, Miguel Vítor, Sidnei, Jorge Ribeiro; Rúben Amorim (Balboa, 78), Carlos Martins, Yebda, Reyes (Di Maria, 89); Nuno Gomes (Aimar, 69) e Cardozo.
Suplentes: Moreira, Léo, Binya, Aimar, Balboa, Di María e Makukula.
Treinador: Quique Flores
Golos: 0-1 (Nuno Gomes, 7), 1-2 (Maxi, 31), 1-3 (Cardozo, pen, 43)
Cartões: Amarelos - Maxi, 28; Nuno Gomes, 57; Quim, 94; Vermelhos - Nada a assinalar.


Quatro minutos decorridos e o Benfica cria perigo pela primeira vez. Livre cobrado por Carlos Martins (descaído sobre a esquerda) que cruza com Sidnei a aparecer na cara de Pedro e atirar por cima. O lance seria anulado, bem, por fora de jogo.



0-1 aos 7 minutos por Nuno Gomes. Grande transição do Benfica, com Reyes com uma grande arrancada sobre a ala esquerda combina Carlos Martins que, depois de receber do Espanhol, tira um grande passe sobre a esquerda a rasgar a defesa contrária para o extremo Ex-Atlético. José António Reyes cruza de primeira para que Nuno Gomes faça o 0-1 e o seu segundo golo na Liga Sagres 2008/09.

1-1 aos 14 minutos por Ozeia. Na sequência de um canto a defesa encarnada a aliviar para a entrda da área e Reyes a falhar o alívio, com Ozeia a rematar de primeira para repôr a igualdade (ainda beneficia de um ressalto em Sidnei).

Três minutos volvidos William quase faz o 2-1. Chico Silva cruza sobre a esquerda e o ponta de lança brasileiro anticipa-se aos centrais encarnados para cabecear por cima.

Depois do empate o Paços ganhou algum ascendente, contrariado pouco depois pelo grupo orientado por Quique Flores. Contudo, o Benfica mostrava dificuldades em provocar desequilíbrios no último terço do terreno, a falhar muitos passes.

Falta infantil de Yebda ao sair a jogar da sua ao fazer uma falta que originava uma situação de perigo para o Paços. Chico Silva atira fraco para defesa fácil de Quim.

28 minutos e falta dura de Maxi sobre Tatu. Cartão amarelo bem mostrado.


1-2 aos 31 minutos por Maxi Pereira. Carlos Martins aparece na direita, dá para Rúben Amorim que tira um cruzamento milimétrico para a cabeça de Nuno Gomes que obriga Bruno Conceição a defesa apertada. Maxi Pereira, na recarga, volta a pôr a turma encarnada na frente do marcador.

5 minutos volvidos e o Benfica ia procurando o terceiro. Bela recuperação e transição protagonizadas por Yebda, dá para Carlos Martins que desmarca Cardozo sobre a meia direita. O avançado paraguaio atira de pé direito à figura de Bruno Conceição.

Aos 40 quase o terceiro. Rúben Amorim recupera, mais uma vez, a bola sobre o lado direito cruza para o lado contrário e para a entrada de Reyes que, de primeira e sem deixar cair, atira com muito perigo.

Pénalti para o Benfica aos 42 minutos de jogo. Numa terceira vaga do ataque encarnado, Yebda abre para Rúben Amorim, que tira o cruzamento cortado por Tiago Valente com a mão. Cartão amarelo bem mostrado, e consequente penalti.

1-3 aos 43, por Cardozo. Penalti marcado sem hipóteses para Bruno Conceição.

Sidnei, pela terceira vez, quase faz o quarto. Canto de Carlos Martins para Sidnei que atira forte para a baliza com Chico Silva a tirar em cima da linha para novo canto.

Logo depois o intervalo.
Assistiu-se a uma primeira parte com duas fases. A primeira, até ao 1-2, com o jogo muito repartido, com ambas as equipas a tentar pegar no jogo. Depois do 1-2 o Benfica ganhou mais confiança e, por consequência, o meio campo e rapidamente fez o 1-3. Quique trocou meia equipa e, para já, tem a aposta ganha.

As equipas regressavam ao terreno de jogo com apenas uma alteração, e para o Paços. Rui Miguel entrava para o lugar de Tiago Valente.

Grande passe de Carlos Martins (pica a bola por cima da defesa contrária), isola Cardozo que, já com pouco ângulo e em desiquilíbrio), atira para defesa segura de Bruno Conceição.

Filipe Anunciação vê o amarelo (aos 54 minutos) por falta muito feia sobre Reyes.

Logo depois é Nuno Gomes que vê amarelo, por falta sobre o mesmo Filipe Anunciação.

O Paços começava a empurrar o Benfica para trás. Vários lances de bola parada com algum perigo, sempre com os jogadores do Benfica (Nuno Gomes, Miguel Vítor, Cardozo, Sidnei...) a irem limpado os lances.

59 minutos e grande defesa de Quim. Canto de Chico Silva com

Mais um amarelo, desta feita para Rui Miguel, por falta sobre Carlos Martins.

2-3 aos 62 minutos, por Rui Miguel. Após a marcação de um livre, enorme fífia de Quim a subir e a "assistir" para o jogador do Paços.

O Paços ganhava um novo alento, num jogo que se estava a demonstrar, cada vez mais, muito duro.




Aimar entrava para o lugar de Nuno Gomes.

Grande oportunidade para o Benfica. Aimar recebe já dentro da área, é forçado a recuar, dá para a entrada de Carlos Martins que atira com o pé canhoto cruzado e muito perigoso. No mesmo lance, Rui Miguel, ao tentar cortar o remate de Carlos Martins, atinge o médio português no pé esquerdo, que fica tocado no pé esquerdo.

Quim mostrava-se muito intranquilo. Agora num remate fácil à entrada da área, em que o guarda redes português tem tudo para encaixar a bola e deixa que esta lhe fuja. Iam valendo as "dobras" dos seus colegas.

2-4 aos 76 minutos, por Jorge Ribeiro. O defesa a combinar com Aimar e a tirar um grande remate de pé esquerdo, de primeira e sem deixar cair, e a fazer um grande golo.

O Paços sentia o golo e o jogo voltava a parecer controlado pelo Benfica.

Os adeptos da equipa da Luz faziam-se ouvir.

Balboa entrava para o lugar de Rúben Amorim.

3-4 aos 86 minutos, por William. Na sequência de um canto e após vários resaltos, William atira para o fundo da baliza de Quim.

Reyes cedia o lugar a Di Maria. Bom jogo do extremo espanhol.

Bruno Paixão dava 5 minutos de descontos.

O Paços tentava chegar ao empate.

Na terceira vaga de um lance de bola parada, William falha o desvio à boca da baliza.

Mais um livre para o Paços, com Quim em cima da hora a segurar a vitória.

Muita emoção num jogo em que o Benfica podia, e devia, ter gerido o jogo de uma outra forma. Fica o resultado, os três pontos, e a primeira vitória de Quique Flores no comando da equipa.

1 comentário:

  1. pENSEI QUE TINHAM DEIXADO DE TER ANALISE...

    Isto ´+e mt bom!

    ResponderEliminar